“O Despertar” promove hoje jantar tertúlia

/, Actualidade, Coimbra/“O Despertar” promove hoje jantar tertúlia

No âmbito das comemorações do centenário de “O Despertar” realiza-se hoje (21 de abril), a partir das 19h00, no restaurante Gustav, na Quinta S. Jerónimo, em Coimbra, um jantar tertúlia que terá uma componente mais académica e uma outra evocativa da figura de Fausto Correia, cuja memória se pretende homenagear.

Na primeira parte, elaborada em colaboração com o Instituto Jurídico da Comunicação Social da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, é apresentado o tema “História da Imprensa Regional e os 100 anos do Despertar” pelo professor Dr. António Vieira Cura, daquela Faculdade, com moderação do Dr. João Nuno Calvão da Silva, igualmente docente de Direito e Diretor Executivo do Instituto Jurídico. O jornalista Lino Vinhal representa “O Despertar” nessa sessão.

Logo a seguir e findo o jantar, o programa segue com a tertúlia de homenagem ao dr. Fausto Correia, falecido há nove anos, a 9 de outubro de 2007, quando era Diretor do Jornal e cuja morte, acontecida aos 55 anos, chocou todos os seus amigos e particularmente a sociedade coimbrã.

Fausto Correia será lembrado e evocado por alguns dos seus muitos amigos que com ele privaram muito de perto. Esta tertúlia conta com a participação de cerca de meia centena de pessoas, convidadas para esse efeito, onde se incluem, entre muitos outros, o dr. Jorge Coelho (ministro de quem Fausto Correia foi secretário de Estado), o Professor Manuel Queiró (atual presidente da CP) e o dr. Manuel Machado (presidente da Câmara Municipal de Coimbra).

Todos poderão recordar vivências e memórias nesta homenagem que “O Despertar” presta neste ano em que celebra o seu primeiro centenário e em que se completam os 10 anos do desaparecimento de Fausto Correia.

As celebrações do centenário do mais antigo jornal de Coimbra continuam ao longo do ano. O lançamento de um livro sobre a história de “O Despertar”, que vai ser editado sob o patrocínio da Câmara Municipal, será com certeza a mais próxima dessas iniciativas e ocorrerá lá mais para o verão.

Rui Alarcão recorda Fausto Correia

Neste dia em que procuramos evocar vivências e memórias, recordamos nesta edição algumas palavras proferidas por Rui Alarcão, em dezembro de 2006, por ocasião da homenagem pública que a Junta de Freguesia de S. Bartolomeu fez a Fausto Correia.

Manifestando um “profundíssimo pesar pela morte de um grande, admirado e inesquecível Amigo”, Rui Alarcão recorda agora  a “O Despertar” as palavras então proferidas, onde evocava o homem que tinha “um perfil que se harmoniza perfeitamente com esta democracia avançada”, que começou a aprender a praticar na própria Baixa de Coimbra, para onde foi com os seus pais, onde “brincou e criou amizades” e onde começou “a forjar-se o seu espírito de entreajuda e solidariedade”.

Evoca ainda “o seu espírito democrático e o seu anseio de justiça e solidariedade social”, que o levaram à prática do associativismo e do voluntariado, bem como o seu importante percurso político.

“Entre os traços da personalidade, profissional e humana, do Dr. Fausto Correia […] gostaria de relevar, a mais do culto pelos valores familiares e da amizade, o seu fundo conhecimento dos ideais e da cultura democrática, e bem assim da democracia enquanto metodologia e processo político, a sua inteligência e argúcia política, o seu sentido de justiça, de responsabilidade e de serviço, o seu indesmentível dinamismo, a sua enorme, generosa e cordial disponibilidade”, escreveu na ocasião.

Presidente da República homenageia jornais centenários

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai homenagear, na próxima terça feira, feriado do 25 de Abril, durante a tarde, no Palácio de Belém, as 31 publicações centenárias que existem em Portugal, dos quais o jornal “O Despertar” é a mais nova.

No âmbito desta iniciativa, que partiu da Associação Portuguesa de Imprensa (API), Marcelo Rebelo de Sousa vai receber os representantes da associação e dos 31 títulos, numa cerimónia de reconhecimento da imprensa centenária portuguesa que a API quer ver classificada como Património Cultural Imaterial.

Esta homenagem decorre num dia de grande simbolismo para Portugal, uma vez que foi precisamente a Revolução de Abril de 1974 que permitiu devolver aos portugueses os seus direitos, garantias e liberdades, onde se incluiu a liberdade de imprensa.