Coimbra transforma-se na capital da arte e da cultura

/, Coimbra/Coimbra transforma-se na capital da arte e da cultura

Coimbra volta a transformar-se, a partir de amanhã (15 de julho), na capital das artes e da cultura. O Festival das Artes propõe nove dias de uma programação intensa que privilegia as diversas manifestações artísticas e que, este ano, tem como grande novidade o espetáculo do mágico Luís de Matos.

Marcada pela solidariedade, o Festival das Artes volta a espalhar a cultura por alguns dos mais belos espaços de Coimbra. Inspirado no tema “Metamorfoses”, apresenta novas propostas e reinventa outras que vão sendo habituais num programa diversificado e eclético que concilia música, cinema, artes plásticas, artes do palco, conferências, gastronomia, música e um serviço educativo para os mais novos.

A magia marca também presença neste festival. Luís de Matos estreia-se no evento e vai apresentar no Anfiteatro Colina de Camões, na segunda feira, às 21h00, “um espetáculo único, concebido e desenhado especialmente para esta ocasião”, onde a magia vai interagir com o meio ambiente, criando uma atmosfera de sonho e ilusão que irá, com certeza, encantar espetadores de todas as idades.

Este é um dos espetáculos muito aguardados deste festival, promovido pela Fundação Inês de Castro, com o apoio da Câmara de Coimbra e de outros mecenas e patrocinadores, e que volta a ter como palco principal a Quinta das Lágrimas, estendendo-se também a outros espaços da cidade, como o Convento São Francisco, a Biblioteca Joanina, o Mosteiro de Santa Clara-a-Velha e ainda ao rio Mondego, em agradáveis viagens a bordo do Basófias.

O festival arranca amanhã, às 11h00, em frente à Câmara de Coimbra, onde se inicia a viagem de um tuk tuk que, “carregado de palavras e notícias” vai percorrer a cidade, convidando todos a juntar-se à festa. A cerimónia inaugural está marcada para as 16h00, no Museu Nacional de Machado de Castro, onde é inaugurada uma exposição de azulejaria.

Daí, segue para o Convento São Francisco onde, às 19h00, começa o concerto “Metamorfoses Germânicas”, pela Orquestra Metropolitana de Lisboa. Este primeiro dia encerra no Mosteiro de Santa Clara-a-Velha, com a apresentação, às 21h30, do filme “Não estou aí”, realizado por Todd Haynes e que dá a conhecer a vida de Bob Dylan.

No domingo, destaque para o concerto “Viagem na Nau do Tempo”, às 21h00, na Biblioteca Joanina. Na segunda feira, às 21h00, sobe ao palco da Colina de Camões Luís de Matos e no dia seguinte, à mesma hora, o mesmo espaço recebe Adriana Calcanhoto, outro espetáculo muito aguardado da programação. A cantora brasileira, que se encontra em Coimbra desde fevereiro, vai apresentar neste festival “Dessa vez”, onde reúne cantigas de trovadores, poemas musicados, canções novas escritas em Portugal e os sucessos incontornáveis da sua trajetória musical.

Espetáculos apoiam população

afetada pelos incêndios

Na quarta feira, o destaque vai para o concerto “Metamorfoses ao piano”, às 21h00, na Colina de Camões. Este espetáculo da pianista Irina Chistiakova tem um cariz solidário e metade das receitas de bilheteira vão apoiar as populações afetadas pelos incêndios de Pedrógão Grande, num “gesto de solidariedade para com os nossos vizinhos”, como explicou a diretora do Festival, Cristina Castelo Branco.

A Câmara Municipal de Coimbra também se associa a esta onda de solidariedade e oferece 300 convites aos municípios afetados pelos incêndios para o espetáculo da Orquestra Clássica do Centro, marcado para 22 de julho, às 21h30, também na Colina de Camões. De acordo com o presidente do Município, Manuel Machado, estes bilhetes vão ser “partilhados com as câmaras afetadas”, de forma a “ajudar a aliviar o sofrimento”, numa “relação de vizinhança” e num gesto que procura “recriar a esperança das pessoas que estão numa situação muito difícil”.

Estes são, portanto, apenas alguns dos destaques de um programa amplo e diversificado, que pode ser consultado, na totalidade, na página do festival, em www.festivaldasartes.com.

De acordo com a organização, no ano passado assistiram aos vários eventos cerca de 18 mil pessoas. Esta edição conta com um orçamento de cerca de 150 mil euros.