Coimbra homenageia Zeca Afonso

/, Coimbra/Coimbra homenageia Zeca Afonso

Coimbra homenageia Zeca Afonso. No ano em que se assinalam os 30 anos da morte, a autarquia recorda o músico com um programa cultural extenso, que começou ontem e se prolonga até amanhã (12 de agosto), em vários espaços da cidade.

Este tributo contempla dois concertos, uma conferência e uma mesa redonda, uma visita guiada e uma exposição bio-biblio-discográfica. Esta mostra – intitulada “José Afonso – De Coimbra à Fraternidade Utópica” -, abriu na passada sexta feira, na Galeria Pinho Dinis, na Casa Municipal da Cultura, onde pode ser visitada até 4 de setembro, de segunda a sexta feira, das 9h00 às 18h30. Com entrada livre, reúne uma parte do espólio da Câmara sobre José Afonso, como discos (em suporte vinil, em formato EP e LP), cerca de 25 fotografias do cantor, publicações periódicas e bibliografia de/sobre José Afonso.

Ontem realizou-se uma visita guiada, que percorreu os locais ligados à vivência coimbrã de Zeca e à sua relação com a Canção de Coimbra, num programa que terminou no café A Brasileira, onde decorreu uma atuação performativa com temas da sua autoria e foi servido um lanche.

Hoje destaque para a conferência “José Afonso e o tempo das ‘baladas’”, que será proferida por José Manuel Beato, a partir das 15h00, na Casa da Cultura. O mesmo espaço acolhe, uma hora depois, uma mesa redonda sobre “Testemunhos e experiências com Zeca Afonso”, num encontro moderado por Jorge Cravo e que tem como convidados Manuel Rocha e José Miguel Baptista. O dia termina com um concerto, às 21h30, na antiga igreja do Convento São Francisco, onde “B Fachada canta Zeca Afonso” (voz, guitarra e piano).

Para amanhã está marcado novo concerto, também às 21h30, no Grande Auditório do Convento São Francisco, que conta com a participação de Vitorino e Ricardo Ribeiro, com Sérgio Costa (piano), Carlos Salomé (guitarras), Paulo Jorge (baixo), Daniel Salomé (clarinete e sax), Tomás Pimentel (fliscorne e trompete) e Rui Alves (bateria). Este evento conta ainda com a participação especial do Grupo de Cantadores de Cante Alentejano e do Grupo de Fados de Coimbra.

Com este programa, a autarquia de Coimbra dá “um contributo para perpetuar o irreverente e incansável artista, músico e lutador, bem como recordar a obra escrita, falada e cantada que fez de José Afonso uma personalidade incontornável da nossa história”.