Novo código visual da dor melhora comunicação entre médico e doente

/, Saúde/Novo código visual da dor melhora comunicação entre médico e doente

A Grünenthal anunciou, recentemente, o lançamento do site www.dor.com.pt, destinado a doentes e profissionais de saúde, e de um novo código de avaliação da dor com recurso a imagens.

De acordo com Ana Pedro, presidente da Associação Portuguesa para o Estudo da Dor, “o novo código visual da dor é uma ferramenta de cariz artístico, facilitadora da comunicação entre médico e doente. O código visual permitirá auxiliar a interpretação da dor pelo doente, contribuindo para a melhoria dos cuidados de saúde prestados aos doentes com dor crónica em Portugal”.

O novo código visual pretende representar alguns descritores de dor através de 12 imagens: ferro em brasa, formigueiro, frio gelado, beliscão no nervo, rastejar sobre a pele, facada, choque elétrico, alfinetes, espasmo agudo, dor perfurante, arame farpado e queimadura.

Nem sempre é fácil o doente exprimir a sua dor (a dor não se vê!), o que pode ser uma barreira para o médico na compreensão da doença e no diagnóstico final. Esta nova ferramenta visual é, sem dúvida, uma mais-valia para os doentes e também para nós médicos, que tentamos diariamente compreender e avaliar corretamente a sua dor”, salienta a médica.

O código visual da dor conta com o apoio da Associação Portuguesa para o Estudo da Dor, da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, da Sociedade Portuguesa de Anestesiologia, da Sociedade Portuguesa de Oncologia, da Sociedade Portuguesa de Medicina Física e Reabilitação, da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna, da Sociedade Portuguesa de Ortopedia e Traumatologia e da Sociedade Portuguesa de Reumatologia.

O site www.dor.com.pt é composto por duas áreas distintas, uma reservada a profissionais de saúde e outra com informação destinada à população em geral. Esta pretende ser uma plataforma de apoio aos doentes, cuidadores e restante população, na medida em que disponibiliza informação útil sobre a doença, desde o diagnóstico ao tratamento, e onde está disponível, para consulta, o novo código visual da dor.

Estudos recentes revelam que os custos com a dor crónica, em Portugal, ascendem aos 4610 milhões de euros, o que corresponde a 2,7 por cento do PIB nacional. No país, os gastos com dor são superiores ao somatório dos gastos com a obesidade, diabetes, álcool e tabagismo. De referir ainda que 37 por cento da população adulta portuguesa sofre de dor crónica, sendo esta a segunda doença mais prevalente em Portugal, apenas ultrapassada pela hipertensão arterial.

O Grupo Grünenthal é uma empresa farmacêutica empreendedora com foco na investigação, sendo especializada em dor, gota e inflamação. A ambição do Grupo é disponibilizar entre quatro a cinco novos medicamentos a doentes com necessidades médicas não tratadas até 2022.