AINDA OS RAMAIS FERROVIÁRIOS DA LOUSÃ… E DA PAMPILHOSA

//AINDA OS RAMAIS FERROVIÁRIOS DA LOUSÃ… E DA PAMPILHOSA

CARTA ABERTA AO SENHOR PRESIDENTE DA CIM – REGIÃO DE COIMBRA, DOUTOR JOÃO ATAÍDE

Excelentíssimo Senhor PRESIDENTE;

Começo por cumprimentar Vossa Excelência, Senhor Doutor JOÃO ATAÍDE, uma pessoa notável, ativa e simpática que teve a humildade de realizar, abnegadamente, dois mandatos a procurar pôr as contas do município da Figueira em ordem depois de gastos excessivos de anteriores executivos – é o que consta e ninguém desmente. Vossa Excelência é uma personalidade dinâmica, político honrado e prestigiado, de palavra e amigo da sua terra natal, a Figueira; e ainda da adotiva Coimbra; além de estar ao serviço, como PRESIDENTE, de um vasto conjunto de municípios da CIM – Região de Coimbra.

Vossa Excelência sabe bem que as populações do RAMAL FERROVIÁRIO da LOUSÃ foram desapossadas do comboio ao terem-lhes prometido um METRO DE SUPERFÍCIE SOBRE CARRIS. Na verdade foi uma grande PATRANHA que brada aos céus e desafiou o bom senso tendo colocado o Partido Socialista – que merece a nossa grande admiração – em causa porque foi um Governo do PS que teve a infelicidade de anunciar que acabavam temporariamente os comboios ou a circulação sobre carris no Ramal da Lousã. Acontece que foram feitos vários e dispendiosos estudos para um transporte alternativo ao comboio e, depois, ao Metro Sobre Carris – um nado morto ou talvez um aborto reflexo do nosso país ser obrigado a viver em austeridade… e o metro em carris seria muito caro segundo a Europa – foi pena não estar lá nessa altura o Doutor MÁRIO CENTENO que agora é Ministro das Finanças de Portugal e também da Europa e dizem que na sua área é o melhor do mundo tal como o Cristiano Ronaldo no futebol. Com o que se passou (e mal nessa questão aberrante do utópico Metro) gastou-se muito dinheiro durante muito tempo com muitos estudos encomendados e muito pagos.

Surgiu, entretanto, o Excelentíssimo Senhor Ministro do Planeamento e Infraestruturas a preconizar, para o Ramal da Lousã, autocarros elétricos ou a gás. Por mais modernos que sejam esses propalados autocarros julgamos que ainda não são caraterísticos de núcleos periurbanos progressistas a cruzar com núcleos ruralizados, mas talvez de cidades de países em vias de desenvolvimento e remotamente do emergente Brasil. Parece que também de Marrocos e da Turquia.

Ouve-se dizer que um METROPOLITANO é bom para as metrópoles e Serpins, Ceira, Almalaguês, Miranda do Corvo, Lousã não se inserem, propriamente, numa metrópole! Entretanto, e entre dores, mas dores muito sofridas, escuta-se a população que era servida pela Centenária LINHA FERROVIÁRIA DA LOUSÃ a manifestar-se que dispensa experiências sofisticadas e, de um modo quase uníssono, a desejar a imediata REPOSIÇÃO DA LINHA FERROVIÁRIA DA LOUSÃ até Coimbra-B para entroncar nas Linhas do Norte e da Beira Alta e para ligar pelo Ramal de Alfarelos, a LOUSÃ à FIGUEIRA DA FOZ. Hoje os comboios podem circular pela Baixa de Coimbra porque a Ponte de Santa Clara é uma ponte apenas para trânsito local e há duas novas pontes (Açude Ponte e a Ponte Europa/Rainha Santa) para o trânsito Norte/Sul; e para o tráfego para o INTERIOR e para a A13. Tal não conflitua com a Linha Ferroviária da Lousã. Houve tempos em que se pediu para o comboio da Lousã circular menos vezes na Baixa de Coimbra (ninguém no-lo nega) mas agora tudo mudou e os comboios podem ali circular sem quaisquer problemas sendo apenas necessário colocar redes de proteção/separação como acontece em Lisboa na Linha de Sintra/Cascais entre o Cais Sodré, Belém e mais à frente numa importante extensão da capital onde há circulação rodoviária de um e de outro lado das vias férreas que até são duplas. Aliás, foi a criação do apeadeiro ou estação de COIMBRA PARQUE que estancou e estrangulou a Linha da Lousã. Amputou-a, mas nessa altura com uma compreensível justificação porque foi dito que a construção de um túnel entre o Parque e a belíssima obra de arte que é a estação nova seria dispendioso. E reafirma-se que, nesse tempo, só havia a congestionada Ponte de Santa Clara a ligar o Norte com o Sul. Era a Nacional 1, a principal estrada do país que utilizava a ponte de Santa Clara, a que agora é apenas local e até talvez fosse boa ideia ser só… pedonal. Acho que vai ser o seu futuro face ao turismo impactante na zona. E mudam-se os tempos e mudam-se as circunstâncias.

Perante o exposto, Senhor PRESIDENTE DA CIM – REGIÃO DE COIMBRA, urge repor os comboios entre SERPINS E COIMBRA-B e a passarem na estação de COIMBRA-A uma joia de arte da CP. E é preciso (é muitíssimo importante) para ajudar a economia da nossa região, voltar a pôr em circulação na Linha Ferroviária da Lousã, os comboios de Mercadorias que havia muitos entre Serpins e Coimbra B e até alguns com destino aí ao Porto da Figueira, município a que V. Exª também preside.

SENHOR PRESIDENTE DA CIM-REGIÃO DE COIMBRA;

Dizem que é preciso modificar as gares que fizeram para o Metro da Lousã depois de estragarem as que estavam feitas para os comboios: é fácil, é barato e não são precisos estudos megalómanos e dispendiosos para esse eventual alargamento ou estreitamento. Nesta supersérie burlesca do COMBOIO DA LOUSÃ antes das recentes eleições autárquicas, o Senhor Ministro do Planeamento veio falar de um METROBUS ou seja do tal metro por autocarros (bus) os quais dificilmente se coadunarão com a orografia do Ramal implantado na zona da Serra da Lousã. Esse tal de Metrobus será bom para a cidade de Coimbra, ou seja, apenas para a zona Urbana, mas não servirá para o Ramal da Lousã. Isto é tão evidente!

Sabemos que são precisas verbas para ampliar os Metros de Lisboa e Porto, as duas cidades portuguesas que parecem ser as únicas a contar num Portugal assimétrico onde Coimbra que foi a segunda ou mesmo primeira cidade em importância geoestratégica e política está agora ensanduichada ente essas metrópoles macrocéfalas de Lisboa e Porto que tanto sugam. Ou parece. E parece que pouco deixam para a importante cidade de Coimbra e Região. E aqui incluímos a Figueira da Foz que é uma cidade estrategicamente importante, com muito prestígio e grande margem de progresso, para além de ser, provavelmente, a cidade mais bonita dentre as cidades litorais da Península Ibérica e até do continente europeu. E também pedem pouco. Mais: as populações COM IMPRESSIONANTE RESILIÊNCIA pedem que os Governantes não gastem mais um cêntimo nem distribuam mais dinheiro para estudos, a não ser os estritamente indispensáveis. Pedem a quem governa, a nível central, que sejam POUPADINHOS neste âmbito porque o dinheiro está caro e pedem ainda, com impressionante humildade e ternura, que devolvam DE IMEDIATO AOS UTENTES DO CENTENÁRIO RAMAL DA LOUSÃ (apenas, repetimos APENAS) o que lhes tiraram: o COMBOIO. Pedem tão pouco e tantos lhes tiraram!

V. Exª, saberá, SENHOR DOUTOR JOÃO ATAÍDE, como já escrevi, que os presidentes das Câmaras de Coimbra, Lousã e Miranda receberam o Senhor Ministro do Planeamento a dizer-lhes, antes das eleições, que vinha aí o METROBUS, o tal metro em autocarro. Admito que para não serem prejudicados em votação das autárquicas receberam de um modo geral a ideia com um sorriso… talvez amarelo, e tê-lo-ão feito – presumo -, avisados, ponderados, porque são pessoas com Visão Política e Muita Cautela, tal como os da Margem Sul da zona donde é natural o Senhor Ministro do Planeamento que vai ser uma PERSONALIDADE DE GRANDE ENVERGADURA (é o que prevejo) ao aceitar que seja rapidamente reposto o comboio antigo da Lousã em vez dos autocarros novos e super sofisticados. Estes utentes do Ramal da Lousã estão escaldados: por estas terras a Pobreza era o que dantes se distribuía por todos como deixa perceber, na sua diarística, Miguel TORGA que teve consultório por Miranda: agora, felizmente, é o BOM SENSO, é a DEMOCRACIA, a vontade soberana do Povo, a EFICÁCIA, o bem das Nossas Comunidades que prevalecem e se distribuem. “Devolvam, apenas, o que nos tiraram: o comboio da Lousã” – é o que se escuta aqui. Metam o Metrobus em Coimbra, em Lisboa ou no Porto. Ou metam-no no bolso. Peço, Excelência, SENHOR PRESIDENTE DA CIM-REGIÃO DE COIMBRA, DOUTOR JOÃO ATAÍDE, que nos honre e proteja, ao fazer chegar esta CARTA ABERTA com a sua amabilidade, elegante e eficiente diplomacia e habitual interesse pelo seu POVÃO QUE O ADMIRA, ao Senhor MINISTRO DO PLANEAMENTO. SEI QUE O VAI FAZER E POR ISSO AGRADECEMOS, DE FORMA ANTECIPADA, O SEU EMPENHO. E estamos certos de que irá abordar este tema com os chefes dos executivos inseridos no aglomerado de municípios a que V. Exª preside e de forma próxima, coloquial, incisiva, percuciente e de olhos nos olhos com os seus homólogos de Coimbra, Lousã e Miranda. Do Senhor Presidente Dr. MANUEL MACHADO Coimbra e Região têm recebido provas de grande dedicação, sapiência, força, entrega, defesa dos superiores interesses da população. Confesso que não sei se os senhores presidentes de Miranda e da Lousã, por serem mais novos, observam a situação tão à vontade e da mesma maneira… mas acreditamos que também possam aderir à reposição do COMBOIO. Apesar de mais novos têm de ser firmes como é o Dr. Manuel Machado o que às vezes é interpretado como não ser exímio em sorrisos… mas OUVE, PENSA, FAZ e AVANÇA. E é disso que precisamos, destes líderes de excelência.

Senhor Doutor Juiz: Esta é uma CAUSA idêntica à da Figueira, de Cantanhede e da Mealhada: desativaram-lhes também o RAMAL FERROVIÁRIO DA PAMPILHOSA. Primeiro não foram feitas as necessárias obras de manutenção e, depois, vieram dizer que o Ramal estaria com problemas. E pumbra: acabaram com o Ramal da Pampilhosa. Estes concelhos ficaram de bolsos vazios e sem o importante RAMAL DA PAMPILHOSA e isto acontece numa ocasião em que por essa Europa fora está a ser dinamizado o transporte ferroviário, que CONTRASTE!!! Estamos tristes. Lá por baixo, pelo Alentejo, Os Verdes forçaram, através do Parlamento, à reposição de uma importante Linha Ferroviária que nos liga a Espanha. CONSEGUIRAM. E por aqui, como é? Nem Ramal da Pampilhosa, nem Ramal da Lousã são reabertos? Têm que ser e com urgência. E isto tem de ser visto como uma CAUSA A DEFENDER por TODOS.

É por isso que enviamos a V.Exª esta CARTA ABERTA com os nossos cumprimentos e votos de festas felizes. Votos de um feliz e ferroviário 2018 para a REGIÃO DE COIMBRA, para Vossa Excelência e para os diversos jornais e estações de rádio que se têm aglutinado na épica Defesa do Ramal Ferroviário da Lousã e no da Pampilhosa. O(S) COMBOIO(S) DA ESPERANÇA esta(ão) na sua Direção, Senhor Presidente. DE SI CONTINUAMOS A ESPERAR SEMPRE O MELHOR E MAIS JUSTO. OBRIGADO POR VOSSA EXCELÊNCIA SER COMO É. POR ISSO GOSTAM DE SI, ADMIRAM VOSSA EXCELÊNCIA E O REELEGERAM NO MUNICÍPIO DA FIGUEIRA E NA CIM REGIÃO DE COIMBRA COMO PRESIDENTE.

Espero que Vossa Excelência perdoe a minha OUSADIA ao enviar-lhe esta CARTA ABERTA que pode quebrar o protocolo, mas estou com os que sofrem e aí também sei que me compreende e perdoa falar-lhe com o coração e com, pelo que julgo, com significativa razão face ao que observo. ACHA QUE PODEMOS TER OS COMBOIOS NOS RAMAIS EM FOCO JÁ NO INÍCIO DE 2018?

A mais elevada consideração,

SANSÃO COELHO