Rastreio de Cancro da Mama até maio na Figueira da Foz

/, Saúde/Rastreio de Cancro da Mama até maio na Figueira da Foz

O Núcleo Regional do Centro da Liga Portuguesa Contra o Cancro (NRC-LPCC) lança o apelo às mulheres do concelho da Figueira da Foz, com idade compreendida entre os 45 e os 69 anos, para participarem no Programa de Rastreio de Cancro da Mama, que está a decorrer até meados de maio.

A Unidade Móvel de Mamografia Digital encontra-se estacionada junto ao Hospital Distrital da Figueira da Foz, estando em funcionamento de segunda a quinta feira, das 8h45 às 13h00 e das 13h30 às 18h00, e à sexta feira, das 9h15 às 12h30 e das 13h30 às 16h30.

As mulheres com inscrição atualizada no Centro de Saúde recebem uma carta-convite com a indicação da data e hora de realização do exame. Verifica-se, contudo, como alerta a LPCC, que muitas faltas ao rastreio decorrem da desatualização dos dados de morada nos registos dos centros de saúde, motivo pelo qual apela à atualização dos mesmos e à participação neste exame mamográfico, que deve ser repetido de dois em dois anos, de forma a garantir uma prevenção eficaz.

Para marcações ou informações adicionais, as interessadas devem contactar o Centro de Coordenação do Rastreio, através do telefone 239 487 495/6 ou do e-mail rcmama.nrc@ligacontracancro.pt.

O cancro da mama não pode ser evitado. A melhor resposta é o rastreio. O exame é rápido, gratuito e pode salvar a vida”, alerta o NRC-LPCC.

O cancro da mama é o tipo de cancro mais comum entre as mulheres e corresponde à segunda causa de morte por cancro. Em Portugal, anualmente são detetados cerca de 6.000 novos casos de cancro da mama e 1200 a 1500 mulheres morrem com esta doença. À semelhança de outros países da Europa, em Portugal tem-se observado um aumento da incidência (número de novos casos) do cancro da mama. No entanto, verifica-se uma diminuição progressiva da mortalidade e um aumento da taxa de sobrevivência, o que se deve, por um lado, à introdução do diagnóstico precoce através de programas de rastreio que permitem a deteção de lesões malignas em estadio inicial e, por outro lado, à introdução de tratamentos cada vez mais eficazes e menos agressivos.