ACM de Coimbra quer envolver toda a cidade nas celebrações do seu centenário

/, Coimbra/ACM de Coimbra quer envolver toda a cidade nas celebrações do seu centenário

Debates, concertos, eventos desportivos, publicação de um livro e um desfile pelas ruas da cidade são alguns dos muitos eventos que integram a programação do primeiro centenário da Associação Cristã da Mocidade (ACM) de Coimbra. As celebrações, que começaram ontem (11 de janeiro) e se prolongam até ao final do ano, pretendem envolver toda a cidade, dando-lhes a conhecer o percurso desta histórica instituição bem como o trabalho que continua a desenvolver.

A ACM na Cidade” é o tema das comemorações dos 100 anos da ACM de Coimbra. O programa abriu ontem, com o debate “A cidade e as associações culturais e desportivas” e um concerto dos Antigos Orfeonistas da Universidade de Coimbra (UC), e vai prolongar-se até final de 2018, com vários eventos mensais, todos de acesso gratuito e que convidam toda a cidade a conhecer melhor esta casa, a sua história e o seu trabalho.

Apresentado na segunda feira, o programa comemorativo concentra todas as atividades nas suas instalações, na Rua Alexandre Herculano, no palco onde, dia após dia, se tem vindo a construir a história da ACM, numa partilha de saberes e técnicas mas também de afetos e amizades.

Durante a apresentação das celebrações, o presidente da instituição, Fausto Carvalho, recordou a longa história da ACM de Coimbra, que começou com a designação de Associação Cristã de Estudantes (ACE), e sublinhou que a intenção da direção é não ter um centenário “meramente formal” mas assegurar antes um programa que “seja a justificação e o sentido de um trabalho intenso desenvolvido ao longo de um século, que muito dignificou os associados mas também a própria comunidade”.

E são precisamente esses “100 anos de muito trabalho” – e também de muitas lutas e desafios – que vão ser evocados ao longo do ano. “Iremos dar conta de muitos episódios da nossa história que refletem a vida intensa da ACM”, realça Fausto Carvalho, esperando que este programa assegure momentos culturais, desportivos e lúdicos que promovam o lazer mas também o debate e a reflexão. O presidente da ACM pretende, ainda, que estas comemorações “honrem todos aqueles que iniciaram o movimento acemista em Coimbra e em Portugal”, bem como todos aqueles que deram “a sua colaboração e empenho” por este projeto. Considerando que “a memória é fundamental para evoluir”, defende que é preciso lembrar, neste momento histórico e de celebração, “todos aqueles que traçaram o percurso da instituição”, fazendo também votos para que daqui a 100 anos outros estejam também a evocar estas memórias.

Teresa Portugal, vice-presidente da ACM, enalteceu a forte ligação que a coletividade sempre teve com a cidade, tendo sido sempre “uma casa de acolhimento aberta à sociedade”, por onde passaram “muitas figuras notáveis”. “Coimbra, com a sua multiplicidade de interesses, esteve sempre ligada à ACM. Hoje a ACM tem uma implantação na cidade extraordinária, com centenas de crianças a praticar aqui as mais diversas atividades”, explicou.

A ACM conta atualmente com 610 praticantes, sendo que destes 243 são federados, 204 não federados e 163 frequentam atividades culturais. Ballet, música, dança contemporânea, danças afro-latinas, ten-chi-tessen, aikido, kendo, krav-maga, karaté, taekwondo, esgrima, ténis de mesa, damas, pesca desportiva, badminton, judo, ju-jitsu, ginástica acrobática e rítmica, ginástica de manutenção, yoga, voleibol, natação e bridge são as atividades que desenvolve diariamente esta associação que conta com 1068 associados.

Desfile pelas ruas no Dia da Cidade

Depois dos dois eventos de ontem, as comemorações dos 100 anos da ACM continuam em fevereiro com um espetáculo de “Duo Cordis” (dia 17) e com o debate “A cidade, a ciência e a inovação” (dia 22).

A cidade e os poetas” é o debate proposto para março (dia 8), bem como a Prova de Ginástica Rítmica ACM (dia 11) e o concerto Simão Mota na Guitarra de Coimbra (dia 23).

Em abril debate-se “A ACM e a evolução da sociedade urbana” (dia 5), disputa-se o Torneio de Judo “Centenário” da ACM de Coimbra (dia 14) e há concerto com a Orquestra dos Antigos Tunos da UC (dia 27).

Para maio está programado o debate “A cidade e a saúde no desporto” (dia 5), uma Prova de Ginástica Acrobática ACM – Torneio Graciano Marques e o Torneio Centenário Jovem de Damas (ambos dia 26).

As celebrações solenes estão marcadas para 23 de junho, altura em que será lançado o livro do centenário da ACM, que está a ser preparado pelo historiador João Pinho.

A ACM associa-se também às celebrações do Dia da Cidade, a 4 de julho, e vai realizar um grande “Cortejo ACM”, onde vai trazer para a rua toda a “família” acemista, que vai dar a conhecer todas as atividades desenvolvidas na instituição, num desfile que começa na Praça da República e termina na Portagem, sendo acompanhada pela Filarmónica de Ceira.

O programa segue depois até dezembro, com iniciativas que serão posteriormente anunciadas. De referir ainda que estas comemorações contam com uma comissão de honra que integra figuras notáveis do país e da cidade, abrindo com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e encerrando com a atleta olímpica, Rosa Mota.