Reabilitação cardíaca ajuda a salvar vidas

/, Saúde/Reabilitação cardíaca ajuda a salvar vidas

Só oito por cento dos doentes com enfarte fazem reabilitação cardíaca. Numero que fica muito aquém do desejado, já que esta prática ajuda a salvar vidas. No âmbito do Dia Nacional do Doente Coronário, que se comemorou a 14 de fevereiro, a Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPC) alertou para a importância desta prática que “reduz a mortalidade e futuras complicações cardiovasculares, melhora a qualidade de vida, aumenta a capacidade física para voltar a ter uma vida ativa e reduz a doença psicológica (ansiedade e depressão) causada pela doença”.

A reabilitação salva vidas!” alerta a FPC. O presidente da Fundação, Manuel Carrageta, explica que “a reabilitação cardíaca dá os conhecimentos e a motivação necessária para combater a progressão e complicações da doença cardiovascular”. Este “conjunto de intervenções coordenadas, destinadas a otimizar a capacidade física, psicológica e social do doente, e adicionalmente estabilizar, retardar ou promover a regressão da aterosclerose, reduz a morbilidade e a mortalidade de doentes que sofreram um enfarte do miocárdio, têm insuficiência cardíaca ou foram submetidos a angioplastia ou cirurgia coronária ou valvular”, realça.

Considera, por isso, que “a reabilitação cardíaca é uma das intervenções clínicas mais custo-eficazes no tratamento das doenças cardiovasculares, sendo responsabilidade dos clínicos recomendar que todos os doentes elegíveis (com doença coronária, insuficiência cardíaca, etc) participem num programa de reabilitação cardíaca”.

Esclarecer a população sobre este tema é o desafio da FPC que, no âmbito das comemorações do Dia Nacional do Doente Coronário, realizou, no Café Santa Cruz, em Coimbra, o 3.º Encontro de Doentes Cardíacos, dedicado precisamente ao tema “Reabilitar o coração para viver mais e melhor”. Também no dia 14, em Lisboa, no Centro Comercial das Amoreiras, realizou-se um rastreio cardiovascular gratuito, onde as pessoas puderam avaliar a pressão arterial, doseamento da glicemia, medição do peso e altura para cálculo do índice de massa corporal, medição do perímetro abdominal e aconselhamento nutricional.