Tenho um banco…

//Tenho um banco…

Tenho um banco no Jardim da Estrela, em Lisboa… este é um banco de luxo. (Se as finanças descobrem isto vai dar sarilho).

Que bem que me sabe, nos lindos dias de sol lisboeta, carregar as baterias, sentadinha no meu banco. Hoje aproveitei esse momento para escrever este textinho…

Alguns dos meus leitores pensarão: “Ainda é muito cedo para esta menina ter um banco no jardim”. O meu coração sorri enquanto penso no que poderá ser a minha velhice (de sapatilhas)…

Esta manhã no banco ao lado do meu estava um senhor com um pequeno rádio a pilhas no colo. Começo a imaginar… a sua senhora deve estar a fazer a lida da casa e ele veio, tranquilo, para o jardim escutar o seu programa de rádio preferido. Em casa tinha como barulho de fundo o aspirador mas aqui, ao meu lado, tem como barulho de fundo a alegria dos patos, a música dos pássaros e o sino da linda Basílica da Estrela. É claro que tive vontade de me sentar a escrever este texto ao lado daquele senhor, aproveitando para saborear a rádio, mas a quantidade de bancos vazios não me ajudava a justificar essa escolha…

Gosto muito de ver quem passa… um jovem executivo que escuta música num moderno dispositivo enquanto caminha apressadamente, uma avó que transporta o carrinho das compras cheio de mimos para os netinhos, um jovem casal com ar estrangeiro que respira a tranquilidade deste pulmão da nossa capital, uma senhora apressada que deve estar em horário de trabalho, um ciclista que passa pelo meio do jardim para encurtar caminho, um casal de turistas com velhinhas máquinas fotográficas ao peito,…, de repente chegou uma “invasão brasileira”: “Tá linda, deixa eu pegar outra”, escuto enquanto disparam fotos com o telemóvel. “Seu cachorro é lindo”, dizem ao simpático senhor que tira uma foto a todo o grupo. (Eu estava ali ao lado quase sem respirar com medo que o cão viesse ter comigo).

Porque é que esta menina vai tanto ao Jardim da Estrela?” Porque tenho um banco…

CLARA LUXO CORREIA