Cavalo Azul quer alargar instalações para poder receber mais utentes

/, Coimbra/Cavalo Azul quer alargar instalações para poder receber mais utentes

Alargar as instalações, de forma a poder diminuir a crescente lista de espera e tornar mais fácil a sustentabilidade financeira da instituição, é um dos desejos da associação Cavalo Azul, que está a celebrar três anos. Atualmente com 40 utentes e lotação máxima nas valências que disponibiliza, a instituição está continuamente a trabalhar em novas respostas que possam ajudar não só as pessoas com deficiência mental que acompanha mas também as respetivas famílias.

Três anos depois de ter aberto ao público, a Cavalo Azul sonha já com umas instalações mais amplas, que possam dar resposta aos utentes que continuam em lista de espera e que, por outro lado, assegurem uma maior sustentabilidade financeira da própria instituição. Inaugurado a 1 de abril de 2015, em Marco dos Pereiros, na União de Freguesias de Santa Clara e Castelo Viegas, este equipamento social é um projeto da Associação de Famílias Solidárias com a Deficiência (AFSD), criada há mais de uma década por familiares de pessoas portadoras de deficiência que estavam muito preocupados com as necessidades tanto dos doentes como das famílias, sobretudo dos pais que, com o envelhecimento natural, temiam pelo futuro dos filhos ansiando por um equipamento social de confiança e qualidade que os apoiasse e lhes trouxesse maior tranquilidade em relação ao futuro.

Foi assim que nasceu a Cavalo Azul, um sonho que uniu tantas vontades e que se assume como uma importante resposta social tanto para utentes como familiares. Atualmente tem a funcionar as valências de lar e de Centro de Atividades Ocupacionais (CAO), ambas com a lotação completa. De acordo com Ana Paula Moreira, vice-presidente da instituição, no lar estão 12 utentes, enquanto o CAO acolhe 28, todos entre os 21 e os 58 anos. A resposta está, contudo, longe de ser suficiente, havendo, como realça a responsável, “uma lista de espera com 26 pessoas para as quais a instituição não tem capacidade de resposta”.

Alargar as instalações, de forma a que possa receber pelo menos mais 12 utentes na valência de lar, é o desejo da direção mas faltam dinheiro e apoios para que mais este sonho possa ser concretizado. A execução deste projeto ajudaria mais utentes e famílias e, por outro lado, proporcionaria também uma maior estabilidade à própria Associação. “A instituição é pequena e não permite uma economia de escala. As despesas fixas são as mesmas e se pudéssemos ter mais utentes era mais fácil assegurar a sua sustentabilidade financeira”, explica Ana Paula Moreira. Para tal, apela, “são precisos mecenas” e outros apoios que possam viabilizar financeiramente a concretização desta obra.

Apesar da construção das instalações atuais terem contado com financiamento comunitário, a Associação teve que contrair um empréstimo bancário que está ainda a liquidar. A nível financeiro, conta com o apoio da Segurança Social e com as mensalidades suportadas pelas famílias mas tem apostado também em iniciativas diversas, através do voluntariado, para angariar mais receita que possa ajudar a concretizar os seus projetos. A solidariedade tem acompanhado também esta instituição, através das mais variadas ações que têm mobilizado a comunidade. Um desses exemplos é o concerto de aniversário que vai decorrer no dia 14, às 18h30, no Conservatório de Música de Coimbra (ver caixa).

Qualidade de vida dos utentes é prioritária

Paralelamente, a Cavalo Azul continua a trabalhar no sentido de alargar as respostas sociais que disponibiliza, indo dessa forma ao encontro das necessidades dos seus utentes, procurando melhorar a sua qualidade de vida e o seu dia a dia, tendo em conta que acompanha dois tipos de utentes – alguns acamados e completamente dependentes e outros mais autónomos e que têm mesmo uma participação ativa na vida da instituição.

Neste momento, está a ser equipada uma sala polivalente e a Associação está também a trabalhar numa candidatura para a criação de um Centro de Apoio à Vida Independente (CAVI), no âmbito do programa “Modelo de Apoio à Vida Independente” lançado pelo Governo. Com este novo projeto, a Cavalo Azul pretende assegurar uma nova resposta a quem não tem vaga na instituição e, por outro lado, promover uma vida independente, no contexto familiar. Os CAVI são responsáveis pela disponibilização de assistência pessoal às pessoas com deficiência ou incapacidade, através de um serviço especializado de apoio para a realização de tarefas que não possam realizar por si próprias, destinando-se sobretudo a pessoas com deficiência e/ou incapacidade igual ou superior a 60 por cento, devidamente atestada.