À Saudade…

//À Saudade…

Se me perguntassem o que é a vida, responderia que a entendo como um constante desenrolar de sentimentos, que o próprio Homem vai decifrando e vivendo ao longo de cada capítulo que vai abrindo. Qualquer momento se sente, seja este vulgar ou singular, fazendo que a alma brote de sentimentos que cada indivíduo vive à sua maneira. Entre todas as mágoas da tristeza, entre toda a fúria da ofensa, de todos os sorrisos que a alegria desperta, entre todo um quadro de emoções que compõe este hino à vida, a saudade é talvez o sentimento que apesar de possuir as definições mais breves não se consegue explicar nitidamente, apenas se consegue sentir.

Saudade”, a palavra mais genuína de qualquer dicionário de língua portuguesa, uma palavra que apenas se sente… Muitos sinónimos a ela se remetem, fruto de recordações e de memórias que nos enchem a alma e que nos fazem relembrar momentos, pessoas e paisagens. A saudade de estar junto daqueles que jamais voltaremos a ver, aqueles que recordamos de alegres momentos que apenas a memória e as lembranças os fazem ressuscitar. Não há nada que explique este vazio angustiante que nos faz refletir o sentido da vida, mas nada se explica, apenas se sente saudade…

Recordar uma infância inocente e de plena liberdade, relembrar tempos idos em que o tempo parecia chegar para tudo. Momentos alegres vividos em família e com amigos, paisagens que deixaram o desejo de voltar, mas nada será igual mesmo que se volte a repetir. Nada se explica, apenas se sente saudade…

Saudade, a palavra mais bela entre os poetas, sete letras que dizem com ousadia e honra de a poder escrever sentindo-a no seu estado mais poético. É difícil definir o significado da vida, alguns grandes nomes o tentaram fazer, mas nem eles o conseguiram entender na sua plenitude. “A vida é feita de nadas | De grandes serras paradas | À espera de movimento.” (Torga). Muitos destes nomes tentaram também escrever, cantar, pintar e compor a saudade. Na verdade julgo que a melhor definição de Saudade é-nos dada pelo som da guitarra, aquela que se faz ouvir na mítica cidade de Coimbra, a urbe portuguesa que melhor sabe definir este sentimento. Foi a sua academia que lhe deu a cor, o preto das capas que se estendem e vestem a cidade a cada serenata, a cada balada que se faz ouvir. O estudante de Coimbra é talvez aquele que melhor sabe definir a saudade emocional, a saudade de tempos breves que se juntam aos capítulos da vida, mas nada se explica, apenas se sente saudade…

VASCO FRANCISCO