Aumento dos combustíveis preocupa empresas do Interior

/, EMPRESAS/Aumento dos combustíveis preocupa empresas do Interior

A AESL – Associação Empresarial Serra da Lousã, em representação dos empresários da região, demonstra “profunda preocupação face aos sucessivos aumentos dos combustíveis”.

É a décima semana consecutiva que os preços dos combustíveis aumentam e prevê-se que este aumento continue, sendo Portugal o 10.º país da União Europeia com o preço médio do gasóleo mais alto e o 5.º país com o preço médio da gasolina mais alta, o que comparado com o salário mínimo nacional se traduz numa brutal disparidade”, alerta, em nota divulgada.

Na ótica das empresas da região Interior, que se caracterizam em pequenas e médias empresas, estes sucessivos aumentos dos preços dos combustíveis traduzem-se em “graves problemas que poderão comprometer o bom funcionamento e a competitividade”. Grande parte das empresas inseridas no Interior Centro necessitam de se deslocar entre localidades com quilómetros consideráveis e muitas vezes com acessos desadequados, nomeadamente o caso do IP3 e EN17 que, por problemas de dimensão, têm muita dificuldade em fazer repercutir o aumento do preço dos combustíveis nos preços dos produtos e serviços prestados.

A AESL alerta, ainda, para o facto de a carga fiscal sobre os combustíveis trazer “impactos negativos para a economia, que a curto e médio prazo resultará em aumentos sucessivos nos preços de venda de produtos e serviços”. Esta necessidade de aumentos dos preços não será suportada pelo cliente final e, como consequência, poderá originar graves problemas financeiros nas empresas do Interior e/ou o deslocamento das mesmas para o litoral. “Esta nova realidade irá abrir uma ‘grande porta’ para a entrada massiva de empresas espanholas no mercado nacional, onde resultará mais um fator para a estagnação do interior”, frisa a AESL.

A Associação realça que, perante esta situação, “as empresas sentem dificuldades quase insustentáveis e, neste sentido, é imperativo olhar para o aumento dos combustíveis como um impacto extremamente negativo e urge a tomada de medidas das entidades competentes”.