Cirurgião Manuel Antunes é homenageado amanhã em Coimbra

/, Coimbra/Cirurgião Manuel Antunes é homenageado amanhã em Coimbra

O cirurgião Manuel Antunes, diretor do Centro de Cirurgia Cardiotorácica (CCT) do Centro Hospitalar da Universidade de Coimbra (CHUC), é homenageado amanhã (16 de junho), em Coimbra, num jantar de gala que decorre, a partir das 19h00, no Convento de S. Francisco.

Esta homenagem é promovida pelo Círculo de Amigos do CCT e pretende assinalar os 30 anos do Centro e distinguir o médico que lidera a equipa desde o início, coincidindo com o seu 70.º aniversário e com a sua jubilação. A cerimónia vai juntar inúmeras personalidades nacionais e internacionais do setor da Saúde, bem como doentes e amigos, para distinguir o trabalho desenvolvido pelo cirurgião. Estão previstas intervenções do presidente da Câmara Municipal de Coimbra, do presidente do Círculo de Amigos, de um colega do Centro de Cirurgia Cardiotorácica, de um representante dos doentes, do presidente do Conselho de Administração do CHUC, do ministro da Saúde e do homenageado.

Com 45.000 cirurgias cardíacas e pulmonares realizadas e 358 transplantes cardíacos efetuados, o Centro de Cirurgia Cardiotorácica é uma Unidade de Referência reconhecida nacional e internacionalmente. “A qualidade e a quantidade da atividade desenvolvida sob a orientação de Manuel Antunes foi o caminho da afirmação para um novo modelo de trabalho, introduzido numa unidade que se viria a transformar no primeiro Centro de Responsabilidade Integrada do país, num misto de responsabilidade, qualidade, eficiência e humanismo, que a todos tocou”, realça Frederico Teixeira, presidente do Círculo de Amigos do CCT. Acrescenta ainda que este Círculo de Amigos não poderia “deixar de se juntar em redor do fundador do CCT para o homenagear e trazer a esta homenagem altas personalidades, que acompanharam o desenvolvimento e a atividade do CCT (ou até que para tal muito contribuíram) como testemunhas da obra ímpar aqui realizada nos HUC”.

O cirurgião Manuel Antunes chegou a Coimbra para chefiar o Serviço de Cirurgia Cardiotorácica a 21 de março de 1988. Nestes 30 anos, o Serviço afirmou-se sobretudo nas áreas da transplantação cardíaca e da reparação da válvula mitral e foi responsável, desde cedo, pela eliminação da lista de espera para cirurgia cardíaca e torácica existente na zona Centro do país.

O cirurgião passa, no próximo mês de julho, à condição de aposentado, por atingir o limite de idade. Em declarações à Lusa, critica a lei de 1929 que o obriga a deixar de trabalhar no sistema público por atingir os 70 anos e considera que “ainda teria muito para oferecer ao Serviço Nacional de Saúde (SNS)”. Manuel Antunes recusa abandonar a atividade, até porque, como diz, “ainda continua bem na sala de operações” e é lá que quer continuar a estar, “o que significa que se não puder ser no SNS, só pode ser no sistema privado”.

Agora não me vou sentar no sofá a ler o jornal e a beber uma caneca de cerveja ou um whisky”, salientou o cirurgião, acrescentando que também não está “muito inclinado” para chefiar grupos de trabalho “disto ou daquilo”.

Manuel Antunes lidera um Serviço que conquistou grande prestígio a nível nacional e internacional. A crescente produtividade evidenciada ao longo dos anos, a elevada qualidade dos serviços prestados, expressa nas baixas taxas de mortalidade e morbilidade, contribuíram para este reconhecimento e faz com que seja procurado por doentes de todo o país, dando assim um importante contributo na diminuição da lista de espera nacional.

Regularmente o Serviço é também procurado por doentes provenientes do estrangeiro, sendo atualmente o centro que mais transplantes cardíacos faz ao nível da Península Ibérica. Tem sido, ainda, frequentado por inúmeros cirurgiões provenientes de mais de 20 países, para a realização de estágios com duração de vários dias a mais de um ano, especialmente relacionados com a atividade de reconstrução da válvula mitral, de que o Serviço se tornou referência internacional.

Fruto deste reconhecimento, o professor Manuel Antunes recebeu as mais diversas comendas e distinções nacionais e profissionais e tem realizado cirurgias no mundo inteiro, incluindo no âmbito de missões humanitárias.