Freguesias de Coimbra recebem 1,4 milhões de euros para realização de obras

/, Coimbra/Freguesias de Coimbra recebem 1,4 milhões de euros para realização de obras

As juntas e uniões de freguesia de Coimbra vão receber cerca de 1,4 milhões de euros para a realização de obras. Os Contratos Interadministrativos de Delegação de Competências foram assinados na terça feira pelo presidente da Câmara Municipal de Coimbra, Manuel Machado, e pelos presidentes das juntas do concelho e totalizam um investimento municipal de 1.390.690 euros.

A Freguesia de Almalaguês recebe 65.372 euros, enquanto Ceira é contemplada com 49.251 euros, Cernache com 69.038 euros, Santo António dos Olivais com 193.230 euros, S. Silvestre com 26.789 euros e Torres do Mondego com 54.009 euros.

A União de Freguesias (UF) de Antuzede e Vil de Matos é contemplada com 68.937 euros, a UF Assafarge e Antanhol com 74.801 euros, a UF de Coimbra com 133.463 euros, a UF de Eiras e S. Paulo de Frades com 102.689 euros, a UF de S. Martinho do Bispo e Ribeira de Frades com 119.217 euros, a UF de Souselas e Botão com 84.537 euros e a UF de Taveiro, Ameal e Arzila com 68.696 euros.

A UF de Trouxemil e Torre de Vilela vai receber 255.858 euros mas deste valor 196.863 euros transitam de anos anteriores, uma vez que, como explica o Município de Coimbra, “as 28 obras delegadas não foram executadas pelo anterior executivo da freguesia”.

A UF Santa Clara e Castelo Viegas é contemplada com 128.868 euros, sendo que 24.000 euros são referentes a obras que transitam também de anos anteriores.

De uma forma geral, estes montantes destinam-se à realização de obras variadas, que se prendem com a qualidade de vida e com o bem estar das populações. Construção de muros e passeios; requalificação de ruas, escadas e parques infantis; melhoramentos em cemitérios e parques de lazer; e construção de equipamentos como parques infantis e casas mortuárias são algumas das obras abrangidas nos contratos agora assinados.

De acordo com o Município de Coimbra, o apoio às freguesias tem vindo a ser reforçado desde 2015, situando-se em cerca de 2,7 milhões de euros em 2015 e 2016 e ultrapassando os três milhões em 2017. Em 2018, a autarquia estima que seja superior a 3,06 milhões de euros.