Encontros

//Encontros

Podamos uma árvore, desde do início dos tempos, para que dê mais fruto! Até a Bíblia fala nesta urgência da poda… Nós também temos que estabelecer a harmonia e o equilíbrio dentro de nós, através da poda, para darmos mais frutos no tempo e no espaço. Para connosco mesmos, conhecendo o nosso caminho e missão de vida, e também para com os outros, na contribuição para o evoluir do Planeta em que vivemos.

A primeira urgência é o autoconhecimento. Depois, fazem-se as escolhas e assumem-se os compromissos. É isso que vai determinar o nosso futuro.

Neste peneirar do que somos e queremos de verdade, surgem também os relacionamentos. (“Amor não é nada mais que a descoberta de nós mesmos nos outros, e o prazer deste reconhecimento.” – Alexander Smith).

O interessante é que ninguém se cruza por acaso. Algumas pessoas ficam em nossas vidas para sempre. Outras apenas por algum tempo, outras nem chegam entrar. Certas pessoas vêm por bem, dar-te a mão. Oferecer-te guarida. Partilhar contigo experiências. Dando e recebendo. Noutras relações, a urgência do coração é determinante! Aqui, pode ser sério demais (…).

Outras, com pezinhos de lã, consciente ou inconscientemente, vêm sempre e só, para sacar algo, como aves de rapina! Uns/umas “vêm por engano”. Outros/as para usar e deitar fora, como um jornal. Ter mais uma experiência, na coleção. Outros… Outras e mais outras e outros e tantos “aconteceu assim”, pensam.

Uns vêm para dar. Outros para receber. De todos os encontros se tiram lições boas ou más. Se dá e se recebe qualquer coisa. Mesmo na dureza do desencontro, se enriquece a experiência, não sem sofrimento, muitas vezes.
Mas o sofrimento dá para crescer. Serve de vacina. Sobe-se um degrau. Fica-se vacinado…

Não parávamos de falar de relacionamentos. No entanto, temos o livre arbítrio para atar e desatar o que não presta em nossa vida que serve para um propósito maior!

Quando nos apercebemos que uma relação tóxica nos está a exaurir. A impedir a caminhada na luz, perdoamos. Encerramos. Voltamos a página. Vamos embora. Não queremos prolongar o que está errado. O que destrói, sem possibilidades de construção, para as partes.

Aqui, sozinho ou acompanhado, há que conhecer como funciona este corte claro, definitivo ou não, pois há procedimentos que têm que ser cumpridos, se não se quer atrair, na mesma frequência energética, uma nova relação semelhante, dado que não encerrámos definitivamente aquela conjuntura. Por esta razão, ela vai-se repetir, num padrão semelhante ao anterior.

Normalmente estamos ligados por cordões energéticos, em que circula a energia emocional, mental, espiritual e física, nos dois sentidos.

Daí, os pressentimentos. Alguém nos liga quando pensávamos naquela pessoa. Lemos o pensamento e os sentimentos dos outros, justamente, porque é muito sério, a ligação com alguém.

Há vampiros que destroem a vida do parceiro, neste abuso, ao dar-se entrada na vida de outrem.

Os protocolos psicológicos de cortes energéticos não são nada do outro mundo, mas requerem alguns requisitos…

A bem da saúde em geral e da felicidade de cada leitor, deixo alerta para refletir, se o desejar, para a necessidade de se saber quem é. O que se quer da vida. O que se anda a fazer neste plano. Saber que aquilo que não presta, se deve deitar fora, para não atrapalhar, nem complicar o crescimento de todos.

Se tiver uma caixa de fruta e um desses frutos apodrecer, tira-o. Deita-o fora, o mais rápido possível, se não que acontece? (…) A conclusão portanto aqui, é cortar laços, com quem não nos faz bem, custe o que custar!

Há ruturas duras. Outras deixam apenas o vazio e o silêncio…

Os laços que nos prendem uns aos outros não são apenas metáforas. São algo real e tão benéfico como perigoso, já que as energias interagem. Circulam em transferência direta, entre os dois conectados, até um dos parceiros ser completamente sugado!

Ora, se tudo que existe é energia (recupere a teoria de Einstein e outros que explicam que tudo é energia), nem todas as relações são saudáveis. Quando a relação corre mal, quanto mais tempo, energia, carga emocional investe, pior será para cortar.

Se tiver mágoas e influências negativas ou continua ligado/a por feridas abertas emocionais, envolvido em baixas frequências, apenas arrasta criaturas idênticas.

Agora percebe que há quem diga: “mas que coisa, só me aparece o mesmo tipo de pessoas que me prejudicaram…”. Assim como, se tiver algum problema físico em áreas do seu corpo, na limpeza que terá de fazer, analisará minuciosamente e poderá curar, retirar a sombra, a dor, depois de efetuado o corte energético prejudicial! E muito mais…

Seja lúcido. Diligente e inteligente. Retire da sua vida quem não lhe faz bem. Os relacionamentos são acidentes e não o propósito maior com que veio à Terra para evoluir! (Toda a verdadeira vida é encontro.” – Martin Buber).

LUCINDA FERREIRA