Unidade Móvel aproxima cuidados de reabilitação da população

/, Saúde/Unidade Móvel aproxima cuidados de reabilitação da população

A Unidade Móvel da Clínica de Medicina Física e de Reabilitação da Clínica Rainha Santa Isabel, projeto do terapeuta Joaquim Paulo e da Cáritas Diocesana de Coimbra, já está na “estrada”, aproximando os serviços de fisioterapia e de reabilitação das populações que têm maiores dificuldades em deslocar-se aos centros urbanos.

Depois da estreia nos Jogos Europeu Universitários 2018, este equipamento foi inaugurado oficialmente na semana passada e está agora pronto a percorrer os caminhos que levarão estes cuidados a quem deles mais necessita.

Integrado no projeto “Fisio Em Movimento”, da referida clínica, este camião, com cerca de 30 metros quadrados e três “gabinetes”, permite trabalhar em permanência dois fisioterapeutas, um auxiliar e um administrativo, recebendo ainda a visita de um médico regularmente. De acordo com os responsáveis, prevê-se que possam ser tratadas entre 35 a 40 pessoas por dia.

Penacova vai receber esta Unidade Móvel numa primeira fase, ainda sem data a definir. Estima-se que permanecerá nesse concelho entre seis a oito meses, tempo indicado para que se possam completar dois ciclos de tratamentos. Daí seguirá para as freguesias a Norte do concelho de Coimbra, locais com mais dificuldade de deslocação.

A essência deste projeto foi as pessoas terem acreditado nele”, explicou, emocionado Joaquim Paulo Fonseca, aquando da apresentação da Unidade Móvel. O terapeuta disse que o objetivo principal é que esta Unidade “ajude muito e muitos”, indo “até aos locais onde as pessoas não se podem deslocar”.

Para o padre Luís Costa, da Cáritas Diocesana de Coimbra, este é um projeto “de descentralização, flexível e escalonado, direcionado para os mais idosos e para os cuidados básicos de reabilitação”. A Unidade é, também, um “complemento ao que já se faz na Clínica Rainha Santa”, sublinhou, acrescentando que a concretização deste projeto “só foi possível pela boa vontade e resiliência de muitos recursos, quer empresariais como de particulares”, como o caso da família Calvão da Silva, e em particular a João Calvão da Silva (falecido em março), a quem foi prestado um tributo pela sua dedicação a este projeto.

A Unidade Móvel “única e inovadora” tem como principais objetivos a “mobilidade e proximidade”; “a democratização no acesso aos cuidados de reabilitação a quem reside fora dos centros urbanos”; “a redução de custos diretos para os utentes, nomeadamente de tempo e dinheiro; bem como a “possibilidade de replicação deste projeto, quer a nível regional como nacional”, realçou o pároco.

O terapeuta Joaquim Paulo admitiu, ainda, que a replicação da Unidade Móvel “é uma das ideias” para o futuro, sendo este “o primeiro passo para potenciar o projeto e até criar polos mais pequenos”.

Na apresentação da Unidade Móvel esteve, ainda, presente o reputado médico Norberto Canha, que fez questão de realçar o projeto como “uma iniciativa ímpar, que pode ser levada para outras vertentes, como as doenças crónicas”.

Esta Unidade Móvel, licenciada pelo IMTT e pela Entidade Reguladora da Saúde, vem no seguimento da abertura de um polo da Clínica Rainha Santa, nas instalações da Junta de Freguesia de Antanhol, em fevereiro deste ano.

O equipamento teve, recentemente, uma “prova de fogo” durante os Jogos Europeus Universitários, altura em que recebeu mais de 400 atletas em 15 dias.