OPINIÃO

/OPINIÃO

PRAXAR SEM AMOR NÃO É PRAXE

Alguns estudantes talvez vejam no ato de PRAXAR os seus novos colegas, em concreto os CALOIROS, como descarga de uma espécie de frustração ou mimetismo: fazerem o que também lhes fizeram (eventualmente mal feito). Em Coimbra há a PRAXE dos ESTUDANTES da UNIVERSIDADE e PRAXES de outras Instituições Escolares. Muitos não conhecem a “lei” que contempla as práticas na Universidade de Coimbra e há quem meta tudo no mesmo saco

Nota de Rodapé

O PERFEITO ÁLIBI Como muitos conimbricenses começo a ficar enfadado com a questão em torno do novo aeroporto. De promessa eleitoral socialista fixada para Cernache/Antanhol, com categórica dimensão internacional, foi agora recambiado para Soure e desqualificado para regional. As longas e diversificadas narrativas em torno dos estudos e soluções, técnicos e científicos, apontando localizações diferenciadas ao sabor de cada nova encomenda, dão a entender que o caso

Carta a um jovem académico

Há em Vasco Francisco por natureza uma disposição social na sua arte ou uma preparação intelectual que lhe confere uma especialíssima universalidade nas suas crónicas, nos artigos mais burilados e no desejo de se “lançar” no conto ou romance, no fundo a liberdade própria dos seres singulares. Por outro lado existe no trabalho jornalístico uma voz irrevogável que não precisa de se colocar em bicos dos pés para ser lido, ouvido,

A Ponte dos Amores

Após ter terminado as minhas funções de Assistente Convidada da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, ia muitas vezes para o Canadá, onde me divertia imenso, entre outras coisas, fazendo Rádio e Televisão, por vezes. Para além disso, quando a minha homónima, Lucinda Ferreira, em casa de quem morava, podia, íamos até à beira do Lago, com a família ou sós. Junto dos Lagos, é

Onde nasceu o Sol na Via Láctea?

Somos viajantes cósmicos. Desde a formação do nosso sistema solar, há cerca de 4,5 mil milhões de anos, já “demos” vinte vezes a volta à Via Láctea. Neste carrossel galáctico, muitos ambientes interestelares influenciaram a evolução do nosso sistema solar e, apesar de não termos certezas, da própria vida no nosso planeta. Mas onde é que começou esta viagem? Em que local da Via Láctea “nasceu” o nosso Sol? Para responder

RE/LER E FALAR DE JOAQUIM NAMORADO

Li a reflexão preocupante que o Professor RUI NAMORADO faz no seu blogue O GRANDE ZOO a propósito de uma sondagem para as europeias em França. Os “macronianos” seguem na frente com uma percentagem ínfima sobre a Senhora Le Pen. Recomendo a leitura deste texto (UMA TRAGÉDIA FRANCESA VERNIZ DE MUDANÇA NUMA COSMÉTICA CONSERVADORA é o título-síntese dado pelo autor). ainda a saber, neste blogue, que o poeta JOAQUIM NAMORADO vai ser evocado, nesta sexta

“Gira o disco e toca o mesmo…”

A cidade vai despertando aos poucos a sua rotina operária e estudantil, aquela que lhe dá ânimo e vida. Chegado o mês de setembro é já com saudade que qualquer um se lembra do “Meu querido mês de agosto…”. Depois de uma pausa merecida, “férias” como lhe chamam, tudo volta ao quotidiano de uma vida em que o tempo não para, voltando a preencher as vilas e cidades de um stress que se voltará a

TESTEMUNHOS: A senhora dos gatos

Vivo há muitos anos no mesmo bairro. Ainda me recordo dos silêncios do princípio e da paisagem deslumbrante sobre o Mondego que lobrigava da minha varanda. Quase tudo se conhecia a quase todos. Hoje entro e saio do elevador e encontro, em cada dia, a cada hora, gente diferente, a quem se dá o «bom dia» e se obtém ou não resposta, consoante os humores

Nota de Rodapé

A CAMINHO DA ESCOLA As nossas crianças e adolescentes preparam-se para regressar ao lugar onde passam a maior parte do ano: as escolas. Espaços de estudo, de brincadeiras, de amizades, de aprendizagens – positivas e negativas – que aos poucos os devem formar e preparar para enfrentar as vicissitudes da vida. É, na escola, que se cavam os primeiros traços de personalidade, as experiências

Sobre a pintora Helena Toscano

Esta artista fez parte do período brilhante da pintura em Coimbra, por volta dos anos 50 e 80 e picos do século XX. Foi um regimento de nomes sonantes. Parte deles desaparecidos e que revolucionaram a arte e a cultura da cidade. Toscano não perdeu o seu fio poético no desenho e retomou-o sempre, embriagada pela leveza dos seus pincéis que escorreram pequenas maravilhas na excelente bagagem