OPINIÃO

/OPINIÃO

Testemunhos: Nada se passa em agosto? Ai, passa, passa

Durante o mês de agosto, que no meu tempo se designava «de férias», hoje nem tanto assim, dei-me conta de acontecimentos, ocorrências ou notícias que me levaram a pegar na pena e a passar ao papel, aqueles que achei, repetidamente, caricatos, outros porque bateram à porta da minha sensibilidade afetiva, também os surpreendentes ou os que me angustiaram. I Entre a política e a justiça

NOTA DE RODAPÉ

A BEIRA DA ESTRADA A beira da estrada acompanha-nos durante as viagens, sejam elas a pé, de bicicleta, de moto, carro ou camioneta. É um espaço rico de vivências, umas vezes de domínio público outras do privado. Na beira da estrada, onde a vegetação alterna com o casario, multiplicam-se as paragens, sucedem-se os sinais de trânsito, proliferam os vendedores ambulantes, ganham a vida mulheres de má fama

Um Museu – Prenda histórica para Coimbra

Profissional que fui em Coimbra é natural que continue a interessar-me pelo que se vai passando na cidade, especialmente no que se relaciona com a fotografia. Aqui vivendo há 68 anos, nunca longe da Torre, vou tentando corresponder ao bom acolhimento que sempre tive e se mantém. Vindo de Évora pouco depois de terminar a minha vida académica – e convém lembrar que usávamos capa e batina

Pintura de Marie Guiomar Groffier

Esta artista no domínio perfeito de um cromatismo que racionaliza a imagem tem a consciência técnica das diferentes escolas que estuda e revela, singularmente, no jogo soberbo da cor e das figuras esboçadas, adivinhadas e sentidas em válidas experiências que se juntam e definem esta artista na sua trajetória que percorre fronteiras e não enfeita o mundo rural na análise que representa a sua versatilidade cultural. É das pintoras francesas (filha

O INTERIOR SOFRE SEM O COMBOIO DA LOUSÃ

Não ouso dizer que escrevi a alertar para isto ou para aquilo, muito menos que tinha razão no que escrevi e confesso que estes apontamentos que tenho o privilégio de poder inserir em O DESPERTAR oscilam entre o factual e o que presumo: e esta variação é delicada. Factos são Factos. Opinar, presumir é algo diferente. Estes são TEXTOS DE OPINIÃO em espaço adequado e habitualmente com a indicação supra de OPINIÃO. CAROS LEITORES: o

A minha primeira cama…

O título do texto desta semana parece “picante” mas não é!!! Apenas pretende atrair (mais) leitores para as minhas letrinhas… Quem se lembra de quando, onde e como comprou a sua primeira cama? A Clarinha lembra-se e vai contar a história… Estávamos no início de 1999 e a Clarinha vivia em Barcelona. Já naquele tempo tinha uma pequena casinha, autêntico luxo na capital da Catalunha. “Onde compro

NOTA DE RODAPÉ

Foi divulgado recentemente que a Universidade de Coimbra ficara abaixo da posição 500 no Academic Ranking of World Universities – ARWU, mais conhecido por ranking de Xangai. Na verdade, a mais antiga universidade do país e uma das primeiras no contexto europeu, ficou posicionada no intervalo 501-600, mais concretamente na posição 512. Apesar da pronta resposta político-institucional do reitor, procurando

O homem não se encaixa na honestidade

É difícil nesta caminhada hipócrita e corrupta ser honesto. O ser humano desce cada vez mais na escala de valores, vai por aí abaixo no caminho anormal e torna-se “homenzinho” cheio de vícios e tem o pecado original no sangue, deformado e usa todas as escapatórias para fugir às boas maneiras, e tornou-se venal, com uma faca de sete gumes para ferir o seu semelhante, para lesar o outro.

Identidade

A vida é o milagre mais perfeito que alguma vez nos foi dado conhecer e pelo qual temos que agradecer infinitamente! Um homem e uma mulher amam-se (ou não!!!!!). Um dia, num gesto prazeroso, a maioria das vezes, fazem com que um óvulo se encontre com um espermatozóide mais ousado e… O mais normal, se o encontro dessas duas células não for impedido de se multiplicar, dentro de nove meses, nasce um ser humano perfeito!

Postal de férias

Engana-se quem pensa que de sementeiras só as mulheres é que sabem e que só elas é que ainda tomam a sério as luas e a posição do sol para efetuarem as culturas. Desta vez é um homem dos Linhaceiros – Arazede, de 72 anos, de nome Fernando Mendes quem, sentado por detrás da sua improvisada banca no mercado da Tocha nos conta que a sua enxada só trabalha quando o tempo manda. E esse